O fim da competição – parte 2

No artigo anterior (que é a Parte 1 deste) foi explicado porque um ser humano só deixará a prática da competição se aceitar o Evangelho, tendo em vista que essa doutrina contaminou todos os moradores da Terra de uma forma tão escravizante que o ser humano não tem força de si mesmo para se livrar desse mal; dependendo, portanto, de um milagre de Deus em sua vida para se libertar.

Deve-se lembrar de que as falsas ideias da “teoria da seleção natural”, da “teoria da evolução” e outras, serviram de base para se ensinar e estimular várias modalidades de práticas competitivas nas famílias, nas escolas e na mídia de forma irrefletida e inadvertida, entortando e aleijando crianças e adolescentes, destruindo gerações inteiras; formando-se discípulos para satanás com a doutrina da competição, a qual está embutida nessas teorias. Por isso, a maioria dos habitantes da Terra está vivendo nessa prática (1 Jo 5:19) sem perceber (Rm 1).

O Evangelho do Senhor Jesus é a única solução para banir o pensamento competitivo da mente humana (Jo 8:36), porque Ele é a Verdade e produz grandes milagres (2 Co 5:17, Ef 1:3), eliminando todas as culpas ou pecados do passado (1 Jo 1:7), transformando o ser humano em um filho de Deus (Jo 1:12) e fazendo o Espírito Santo habitar nele (1 Co 3:16), dando-lhe entendimento (Rm 12:2), poder e autoridade (Jo 14:12) para vencer as tentações e fazer valer o poder de Deus em sua vida (2 Co 10:4-6).

É preciso lembrar que há um prazo (1 Pe 4:7) para obter esses benefícios gratuitamente (1 Co 6:20, 1 Co 7:23), chamado de “os tempos da graça de Deus”, que vai desde a ressurreição de Jesus e a ordenação ou comissionamento de seus discípulos até alguns instantes (fração de minuto) antes do arrebatamento (Lc 17:34-36). Quem não se converter ao Evangelho nesse período, não será levado da Terra por ocasião do arrebatamento (Jo 3:18) e se submeterá a uma forma horrível de perder a vida a fim de obter a salvação, que será descrita neste texto (Mc 16:16, At 2:38).

Depois que acontecer o arrebatamento, além de encerrar o prazo para ter direito à salvação, sem ter que pagar qualquer coisa por isso, o Espírito Santo sairá da Terra com os arrebatados (2 Ts 2:7-9), ficando aqui somente os seres humanos que não aceitaram o Evangelho ou, tendo aceitado, estiverem desviado bem como os demônios.

Nesse tempo, satanás agirá aproveitando a saída dos discípulos de Jesus da Terra e se incorporará em um ser humano, o qual assumirá o governo de todas as nações do mundo (2 Ts 2, Dn 11,12), intitulando-se de deus (Dn 12), opondo-se a toda espécie de religião, mandando perseguir cruelmente, torturar e matar degolado todo aquele que tomar a decisão de aceitar o Evangelho de salvação do Senhor Jesus (Mt 24:15, Mc 13:14). Mesmo assim, muitos se converterão, dando a própria vida (Ap 7:14)!

Durante esse período de opressão, muitos clamarão pelo Senhor Jesus, reconhecendo que só Ele pode livrar o ser humano do pensamento competitivo e das garras e enganos de satanás. Então o Senhor virá salvar os que clamam (Is 65:24, Mt 24:31) e destruir todos os que, mesmo diante do castigo, negaram-se aceitar o perdão de Deus, preferindo continuar opondo-se ao Evangelho e permanecendo na prática da competição e de outros pecados (Ap 1:16, Ap 2:16, Ap 19:15). Essa vinda do Senhor culminará, também, com a prisão de satanás, o qual permanecerá preso por um período de mil anos (Ap 20:2-3).

Nessa vinda de Jesus será instalado o Reino de Cristo aqui neste planeta, e Ele regerá todas as nações da Terra. Assim, os seres humanos que restarem serão aqueles que, em meio a esse castigo ou tribulação, clamaram ao Senhor Jesus, pedindo salvação (Ap 20). O Reino de Cristo prevalecerá para sempre, permanecendo aqui durante o milênio (Sl 145:13, Dn 7:14, Dn 7:27, 2 Pe 1:11), e por toda eternidade após tal período. Durante o Reino de Cristo na Terra haverá governo justo, plenitude de saúde, segurança, educação perfeita, prosperidade em todos os sentidos, fartura de alimento, plena paz nas famílias e entre os povos, não havendo mais qualquer impulso carnívoro nos animais nem instinto predador, porque eles passarão a conviver todos juntos em plena harmonia e sã convivência (Is 65:1-25, Is 60, Is 56) da forma como foram criados.

Depois dos mil anos do Reino de Cristo na Terra, haverá o julgamento de todos os que, em toda a história, praticaram competição (e outros erros) e não se arrependeram, enquanto estavam em vida neste planeta (Ap 20:12-13), os quais serão lançados num lago de fogo e enxofre, onde ficarão ardendo em calor e tormento inextinguível para sempre (Ap 19:20, Ap 20:10, Ap 20:1-5). Lá, também, já estarão satanás e os seus demônios. Além disso, Deus destruirá o Céu e a Terra com fogo (2 Pe 3:10-12), por terem sido contaminados com o pensamento competitivo (e outros pecados). Note, portanto, que a competição além de ser satânica e levar o ser humano ao inferno (se não se arrepender), fará o Criador usar fogo para eliminar as contaminações desse mal; ocorridas no Céu e na Terra.

Em seguida, o Senhor criará Novo Céu e Nova Terra (2 Pe 3:13, Ap 20:1, 5), nos quais não haverá mais contaminação do pensamento competitivo nem qualquer outro tipo de iniquidade, onde os que se arrependeram das suas práticas competitivas (e outros erros) viverão eternamente em regozijo, júbilo e vida eterna com o Senhor; tendo um relacionamento de amor, fidelidade, intimidade e comunhão com Deus.

Os que forem salvos, habitarão para sempre em uma cidade de ouro puro, a qual tem uma praça feita, também, de ouro puro, onde a plenitude da glória de Deus será usufruída por todos os salvos, os quais desfrutarão de uma vida santa, perfeita e infinitamente superior a qualquer tipo de vida que se possa considerar boa aqui no planeta Terra (Ap 21, 22).

Perceba que o Senhor Jesus veio trazer o Evangelho para banir o pensamento competitivo (e demais pecados) da face da Terra, fato esse que ocorre em uma de três situações. A primeira acontece quando cada ser humano se converte a Jesus e adota o Evangelho como regra única de fé e prática de vida. A segunda ocorrerá por ocasião da prisão de satanás. E a terceira se dará quando o Senhor destruir aqueles que se recusaram a deixar a prática da competição (e outros erros).

Portanto, a eliminação do pensamento competitivo através do Evangelho, a prisão de satanás e a destruição dos que se recusarem a deixar a prática competitiva resultará em vida plena e abundante neste planeta e no Céu. Por isso Deus o fará; porque Ele é Justo.

Logo, só haverá plena paz na Terra quando o pensamento competitivo for banido das mentes humanas (Rm 6:16), porque essa prática tem sido um instrumento com o qual satanás procura destruir o Céu e a Terra, especialmente a família (Jo 10:10), incitando a competição entre os seus membros para dividi-la, desestruturá-la e, assim, conseguir levar multidões de seres humanos para o inferno.

Felizmente, faltam poucos dias para Deus acabar definitivamente com o pensamento competitivo e toda forma de pecado. Isso implica que cada ser humano deve, urgentemente, aceitar o Evangelho para se salvar das astúcias malignas de satanás!

Este tema está descrito em mais detalhes nos sites www.albos.com.br e www.tvdafamilia.com e no livro “Alerta! A Competição Destrói Crianças, Jovens e Adultos”, o qual será lançado brevemente.

José Albos Rodrigues

Sobre Albos

Discípulo do Senhor Jesus Cristo.
Esta entrada foi publicada em Competição e marcada com a tag , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *